O dia em que a Sony parou

Originalmente postado no a redação.

Em novembro de 2014, um grupo chamado “Guardians of Peace“ hackeou os servidores da Sony Pictures Entertainment. Centenas de documentos foram vazados, revelando fatos embaraçosos dos bastidores de Hollywood (como a Amy Pascal, executiva da Sony, brincando que o presidente Barack Obama só gostava de filmes com personagens negros), informações privadas de vários empregados da empresa, e até indícios de que Hollywood estaria tentando trazer de volta a polêmica lei anti-pirataria “SOPA“.

Em seguida, o grupo ameaçou as salas de cinema dos EUA – fazendo referências ao atentado do 11 de setembro – caso estas exibissem o filme “A Entrevista“, da Sony. O longa metragem faz chacota expressa contra Kim Jong-un, o que fez as suspeitas do ataque caírem imediatamente na Coréia do Norte. Afinal, em junho deste ano, o país já havia declarado que, se lançado, este filme seria considerado um ato de guerra. As agências de segurança dos EUA acharam que a ameaça do Guardians of Peace não passaria disso, mas várias salas de cinema começaram a acatar o pedido dos terroristas, fazendo com que a própria Sony chegasse a cancelar o lançamento do filme.

Depois de muita reprovação do público e mídia pelo cancelamento, inclusive do presidente Barack Obama, a empresa resolveu lançar o filme na internet e em uma pequena quantidade de cinemas. Com o hype gerado pela polêmica, a obra arrecadou cerca de 15 milhões de dólares online e 2.8 milhões de dólares no cinema.

Apesar de todos os desdobramentos causados pelo hack, ainda existem dúvidas sobre a titularidade do ataque. Alguns suspeitam que os EUA não possuem evidências concretas de que os hackers são da Coréia do Norte, e muito menos de este ataque ter sido patrocinado pelo Estado.

A agência de segurança IntelCrawler sugeriu que o grupo independente LizardSquad, após conseguir acesso à Sony, cedeu o controle do ataque para a Coréia do Norte (o que explicaria a mudança de alvo para o filme “A Entrevista“); e um dos maiores experts em cyber segurança do mundo, Bruce Schneier, também se declara cético a respeito da concretude das evidências reunidas pelos EUA.

Mesmo aqueles que apostam no país como o responsável ainda questionam os motivos reais da empreitada, sugerindo que tudo isso não passaria de um artifício para distrair o mundo de outra questão: a Coréia do Norte foi recentemente indicada pela assembleia geral da ONU (por 116 votos contra 20) para responder perante a Corte Penal Internacional, por infringir direitos humanos continuamente.

Independente do responsável pelo ataque, este conseguiu comover a maior potência bélica e econômica da Terra, assustando milhares de pessoas e trazendo prejuízos para uma das maiores produtoras cinematográficas do mundo. Percebe-se que não é mais necessário um exército para iniciar um conflito ou até mesmo uma guerra, basta um computador conectado à Internet. Além de ser muito mais barato, por não exigir o uso inicial de armas, bombas, espiões, aviões, etc., a “cyber guerra” e o “cyber terrorismo“ possuem um efeito otimizado. Afinal, estamos todos conectados às redes e, logo, somos todos potenciais vítimas, mesmo no conforto de nossas casas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s